Visualizando o Post: Ácido Tranexâmico como um adjuvante potencial no tratamento da rosácea

Ácido Tranexâmico como um adjuvante potencial no tratamento da rosácea


Postado em 12/02/2019

Tags: rosácea barreira endotelial eritema facial telangiectasias pápulas inflamatórias inflamação dérmica TEWL


           A rosácea é uma desordem inflamatória na face com comprometimento da função barreira endotelial.  As manifestações mais comuns da rosácea, incluem: eritema facial recorrente, telangectasias, pápulas inflamatórias (muitas vezes confundidas com acne) e pústulas em volta da face. O tratamento é complexo, podendo levar várias semanas ou meses para obter um resultado satisfatório.

            Estudo recentes avaliaram a participação de um receptor ativador de protease tipo 2 (PAR-2) no processo inflamatório da rosácea. PAR-2 é um receptor transmembranar acoplado a proteína G, que participa como mediador do processo inflamatório em paciente com rosácea. A modulação da atividade deste receptor tem demonstrado melhora no sinais e sintomas da rosácea.

            O ácido tranexâmico parece modular a expressão e ativação deste complexo receptor-protease (PAR-2), diminuindo o processo inflamatório dérmico, consequentemente, os sinais e sintomas da rosácea em pacientes tratados.

            Recente estudo mediu a influência do ácido tranexâmico a 3% na função barreira da epiderme em paciente com rosácea ativa. Depois de 2 semanas de tratamento, todos os parâmetros biofísicos dos pacientes do grupo tratado, tiveram uma significativa melhora, comparado ao grupo placebo. Em paralelo ao ganho biofísico do estrato córneo, o grupo tratado também apresentou uma significativa redução dos sinais e sintomas inflamatório da rosácea, como apresenta a figura abaixo:

                                             

            O presente estudo também avaliou a perda de água transepidermal (TEWL). No grupo tratado com ácido tranexâmico 3%, tiveram reduzida perda da TEWL, o que significa que houve um incremento na hidratação da pele desse grupo.

            A melhora no sinais e sintomas também pode ser observada na figura abaixo:

                                             

                                             

            O tratamento em definitivo desta desordem inflamatória parece estar ainda distante dos anseios médicos, mas, parece que o ácido tranexâmico vem se mostrando um novo aliado nesta batalha.

 

Referência Bibliográfica

Zhong, S. et al. Topical tranexamic acid improves the permeability barrier in rosácea. Dermatologica Sinica. 112-115. 2015.

 

 

 

 


Você gostou deste post? Então compartilhe no Facebook ou Twitter!


Faça seu comentário:





Confira também: